Pular para o conteúdo
Voltar

CGE inicia comemorações dos seus 40 anos com relatos de aposentados

Embora a data de criação seja 11 de julho, as comemorações tiveram início nesta semana com atividades envolvendo servidores da instituição.
Ligiani Silveira | CGE-MT

Ciro Gonçalves (auditor e ex-controlador), Albany (aposentada), Shirlei (aposentada), Emerson Hideki (auditor e atual controlador), José Alves (auditor e ex-auditor geral), Botelho (aposentado e ex-auditor geral), Arleide (aposentada) e Lodir (aposentado) - Foto por: Ligiani Silveira - CGE/MT
Ciro Gonçalves (auditor e ex-controlador), Albany (aposentada), Shirlei (aposentada), Emerson Hideki (auditor e atual controlador), José Alves (auditor e ex-auditor geral), Botelho (aposentado e ex-auditor geral), Arleide (aposentada) e Lodir (aposentado)
A | A

A Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) completa 40 anos no dia 11 de julho deste ano, mas as comemorações começaram nesta semana. O lançamento da programação festiva teve a participação especial de auditores aposentados, que relataram, em um bate-papo descontraído com os servidores ativos, os principais trabalhos, mudanças, acontecimentos e curiosidades do começo da trajetória da CGE.

Um dos convidados foi José Gonçalves Botelho do Prado, que atuou como auditor do Estado de agosto de 1987 a novembro de 2009, inclusive exercendo por dois mandatos a função de auditor-geral (23/07/1996 a 30/12/2002 e 16/08/2007 a 30/03/2010).

Ele relatou que a criação da então Auditoria Geral do Estado (AGE) foi idealizada pela equipe de planejamento do então governador Frederico Campos, no contexto da divisão de Mato Grosso, como um suporte técnico necessário à execução orçamentária, financeira e patrimonial do Estado remanescente.

A lei de criação foi sancionada em julho de 1979, mas somente a partir de dezembro de 1980 é que o órgão entrou em funcionamento. Segundo Botelho, muitos desafios marcaram o início dos trabalhos. Um deles foi a equipe reduzida com cinco auditores contratados para atender todo o Poder Executivo Estadual. Aliado a isso, o Estado não possuía um sistema integrado de contabilidade, o que dificultava a fiscalização das prestações de contas.

Para fazer frente a essa restrição de pessoal, foram criados 20 cargos de auditor-contábil, em 1986, para o ingresso por meio de concurso público. A formação dos auditores naquela época era a de Ciências Contábeis (atualmente, o cargo exige formação em ao menos uma das seguintes áreas: Direito, Administração, Ciências da Computação, Economia, Engenharia Civil ou Contabilidade). Os aprovados foram empossados no ano seguinte.

Entre eles estavam José Gonçalves Botelho do Prado, Arleide Lucialdo Peixoto de Lima, Lodir Manoel Heitor e Shirlei Rodrigues Tabaczenski, aposentados que estiveram no lançamento das comemorações dos 40 aos da CGE.

“No início, o quadro de auditores era somente com formação em Contabilidade. Por isso, para desenvolver os trabalhos, tínhamos de entender de tudo (demais áreas do conhecimento)”, recordou Arleide, que atuou como auditora do Estado de maio de 1982 a dezembro de 2012.

Com a nova força de trabalho, a então AGE ampliou significativamente sua atuação e consolidou sua estrutura, o que foi fundamental nos contra-argumentos de extinção do órgão, possibilidade aventada politicamente nos anos 1990, sob o pretexto de enxugamento da máquina pública.

“A partir daí,  a AGE passou a mostrar sua importância e agregar valor ao seu trabalho por meio de resultados que indicavam que sua atuação evitava desperdícios, desvios e erros nas prestações de contas dos órgãos”, comentou Botelho.

Botelho salientou, contudo, que o argumento mais forte para a manutenção da então AGE foi resultado da mobilização dos auditores para que o órgão fosse inserido na Constituição Estadual (artigo 52) como superior de controle interno do Poder Executivo Estadual, com caráter permanente e essencial.

Ajuste fiscal

O ex-auditor geral lembrou também que, no período de 1996 a 2000, o principal foco da atuação da então Auditoria foi o programa de Ajuste Fiscal do Estado. Os auditores se debruçaram em levantar a situação fiscal e recomendar ao Governo de Mato Grosso medidas de recuperação das contas.

Também analisaram a situação operacional das empresas, a fim de verificar sua sustentabilidade fiscal. Nesse período, alguns auditores foram designados, inclusive, como liquidantes de determinadas empresas e entidades.

Tecnologia

No lançamento das comemorações dos 40 anos, Shirlei Rodrigues Tabaczenski, que atuou como auditora do Estado de agosto de 1987 a outubro de 2010, lembrou da euforia dos servidores à medida que a tecnologia chegava à AGE.

Nos anos 1980 e em parte dos anos 1990, os relatórios eram escritos à mão por cada auditor e, posteriormente, datilografados por uma servidora do setor administrativo do órgão para, depois, serem enviados às secretarias correspondentes.  

A aquisição do primeiro computador e da primeira impressora em margarida foram feitos que movimentaram os servidores, ainda que a quantidade de equipamentos fosse limitada para o uso de todos os auditores.

“No final dos anos 1990 e começo dos anos 2000, a AGE adquiriu um (1) computador para cerca de 20 auditores. Então, se formava uma fila para que cada um pudesse digitar seu relatório. Mais tarde, a AGE comprou quatro ou cinco notebooks, com recursos do Pnafe (Programa Nacional de Apoio à Administração Fiscal para os Estados Brasileiros, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento). Foi uma ‘festa’”, disse Shirlei.

Conhecer as origens

Sec. controlador-geral, Emerson Hideki, abriu as comemorações dos 40 anos da CGE

O secretário-controlador geral do Estado, Emerson Hideki Hayashida, auditor desde o ano de 2005, destacou que é importante conhecer o passado para compreender e valorizar o presente da instituição. “Temos de comemorar sim os 40 anos, ressaltar o que já foi feito e lembrar que ainda temos muita história para escrever”, disse.

O secretário-adjunto de Controle Preventivo e Auditoria, José Alves Pereira Filho, auditor também desde o ano de 2005 e ex-auditor geral (2010/2014), ressaltou os desafios superados na estruturação inicial da então AGE, mesmo em condições nada favoráveis.

“Hoje, os desafios não são menores, mas vivemos uma realidade bem diferente daquela que vocês (auditores aposentados) viveram. Temos uma estrutura física adequada, equipamentos, móveis, computadores, acesso a sistemas, segurança nas legislações. Mesmo sem nenhuma estrutura, vocês superaram os desafios e trilharam o caminho necessário para que hoje pudéssemos estar aqui”.

Para o presidente da Associação dos Auditores da CGE (Assae), André Luiz Costa Ferreira, é importante que os servidores mais jovens conheçam as origens do órgão, saibam as lutas enfrentadas pelos colegas que ajudaram a fundar a Controladoria. "Cada um (servidor), no seu tempo, deu sua contribuição para o fortalecimento da instituição."

Também estiveram no lançamento as servidoras aposentadas: Albany do Rocio Fritz Salamanca, que atuou como auditora do Estado de outubro de 1987 a agosto de 2011; e Cleusa Maria de Oliveira, analista administrativo na então AGE de agosto de 1981 a janeiro de 2012.

Programação

A CGE-MT designou comissão de servidores para organizar o calendário de atividades alusivas aos 40 anos do órgão de controle interno. A programação se estenderá até dezembro de 2019, com momentos voltados aos públicos interno e externo.

A primeira ação do grupo foi instituir selo comemorativo, criado pela Secretaria Adjunta de Comunicação, a ser usado nos documentos oficiais e produtos emitidos em 2019.

“Não podemos deixar passar em branco as quatro décadas de atuação da CGE. Temos muito a comemorar: ampliação de atribuições, ampliação do quadro de servidores, melhoria da estrutura física e instrumental de trabalho, valorização da carreira de auditor do Estado, aperfeiçoamento do modelo de atuação, os resultados já alcançados, para citar alguns exemplos”, salientou o atual titular da CGE. 

Confira AQUI a galeria de imagens do evento.