Pular para o conteúdo
Voltar

CGE compartilha modelo de avaliação de controle interno com Minas Gerais e Ceará

A ideia é de que as informações e o material compartilhados sirvam de inspiração para o aperfeiçoamento das atividades das Controladorias, principalmente em relação ao gerenciamento de risco
Ligiani Silveira | CGE-MT

Prédio da CGE no Centro Político Administrativo, em Cuiabá - Foto por: Marcos Vergueiro - Secom/MT
Prédio da CGE no Centro Político Administrativo, em Cuiabá
A | A

A Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) compartilhou com a Controladoria Geral de Minas Gerais (CGE-MG) e com a Controladoria e Ouvidoria Geral do Ceará (CGE-CE) a metodologia utilizada para realização dos trabalhos de controle preventivo e auditoria na aplicação dos recursos públicos no âmbito do Governo de Mato Grosso.

O interesse em conhecer a forma de atuação da CGE-MT partiu dos próprios órgãos de controle interno de Minas Gerais e do Ceará, com base em notícias divulgadas na mídia, na publicação dos produtos no site da Controladoria de Mato Grosso e em trocas de informação no âmbito do Conselho Nacional de Controle Interno (Conaci).

A ideia é de que as informações e o material compartilhados sirvam de inspiração para o aperfeiçoamento das atividades das Controladorias, principalmente em relação ao gerenciamento de riscos, ressalvadas as devidas necessidades e particularidades de cada órgão.  

“O objetivo é conhecer e adaptar o material da CGE-MT como melhor prática para elaboração e aprimoramento do material da CGE-MG, que irá nortear e subsidiar a emissão de opinião (elaboração do relatório de controle interno sobre as contas anuais e emissão de certificado) pelos auditores sobre as contas anuais dos gestores de órgãos e entidades do Estado de Minas Gerais”, comentou a auditora-geral da CGE de Minas Gerais, Luciana Cássia Nogueira.

Para o secretário-controlador geral do Estado, Emerson Hideki Hayashida, a cooperação entre os órgãos de controle é essencial à maximização dos resultados, principalmente para evitar desperdícios, desvios e má gestão de recursos públicos.

“Cada órgão de controle tem sua potencialidade. Se juntarmos todas elas, formaremos um todo muito mais forte contra o erro, a falha e a fraude no serviço público. Precisamos unir forças para dar um melhor resultado à população, ou seja, contribuir de forma mais efetiva para a melhoria da prestação dos serviços públicos”, disse Hideki.

O Manual de Auditoria, a metodologia utilizada para selecionar os objetos de atuação e o Plano Anual de Auditoria e Controle foram alguns dos documentos compartilhados.

O material e as informações sobre o planejamento e a execução dos trabalhos da CGE-MT foram repassados aos Estados de Minas Gerais e do Ceará por meio eletrônico. Contudo, a Controladoria de Mato Grosso está aberta a tratar do assunto por videoconferência ou de forma presencial.