Pular para o conteúdo
Voltar

Acadêmicos de Ciências Contábeis conhecem atuação da CGE

A apresentação, realizada pelo secretário-adjunto de Controle Preventivo e Auditoria da CGE-MT, José Alves Pereira Filho, fez parte da XIV Semana Contábil, promovida pela Faculdade de Ciências Contábeis e Econômicas da Unic
Ligiani Silveira | CGE-MT

Secretário-adjunto de Controle Preventivo e Auditoria da CGE-MT, José Alves Pereira Filho, palestrou na XIV Semana Contábil - Foto por: Divulgação
Secretário-adjunto de Controle Preventivo e Auditoria da CGE-MT, José Alves Pereira Filho, palestrou na XIV Semana Contábil
A | A

Estudantes de Ciências Contábeis da Universidade de Cuiabá (Unic) tiveram a oportunidade de conhecer, na noite da última sexta-feira (20.09), um pouco mais a missão, a forma de trabalho e algumas ações da Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) que envolveram análises contábeis. A apresentação, realizada pelo secretário adjunto de Controle Preventivo e Auditoria da CGE-MT, José Alves Pereira Filho, fez parte da XIV Semana Contábil, promovida pela Faculdade de Ciências Contábeis e Econômicas da Unic.

Exigência da Constituição Federal e Estadual, a atividade de controle interno visa verificar a regularidade e os resultados das finanças, atividades, projetos, programas e políticas públicas.

O adjunto destacou que a atuação da Controladoria Geral tem como principal enfoque o controle preventivo para minimizar a ocorrência de erros, falhas e fraudes, bem como aprimorar a gestão pública. O controle preventivo se sobrepõe ao repressivo inclusive na fiscalização da gestão fiscal.

“Mais que um órgão de auditoria, somos uma instituição que busca auxiliar no processo de gestão por meio da realização de capacitações, emissão de orientações técnicas e execução de avaliações de controle interno. Isso porque a atuação a posteriori, em atividades típicas de detecção, pouco agrega valor, sem contar que a recuperação dos danos é mínima. Por isso, procuramos atuar de forma preventiva para assegurar a conformidade, coibir fraudes e desvios de recursos”, enfatizou.

A avaliação de controles internos, por exemplo, é realizada com foco no gerenciamento de riscos, ou seja, para “evitar ou reduzir o impacto ou a probabilidade da ocorrência de eventos de risco na execução de seus processos e atividades, que possam impedir ou dificultar o alcance de objetivos estabelecidos”, conforme descrito no Acórdão TCU 1074/2009-Plenário.

Para definir os órgãos, os processos e as atividades objetos das avaliações, a CGE utiliza como critério o nível de significância dos controles, índice estabelecido pelo somatório dos critérios de risco (possibilidade de algo acontecer), materialidade (valor financeiro), relevância (interesse social) e oportunidade (pertinência de realizar a ação em determinado momento).

“Nas avaliações, a CGE analisa os problemas, identifica as causas e apresenta recomendações de medidas a serem implementadas pelos órgãos do Poder Executivo Estadual para mitigar as causas dos problemas. A ideia é estimular e auxiliar mais de perto gestores e técnicos dos órgãos na implementação de providências necessárias e monitorar se as ações adotadas estão sendo satisfatórias”, salientou o adjunto.

Entretanto, nas hipóteses em que houver necessidade de atuação repressiva, a CGE lança mão de auditorias planejadas e auditorias especiais demandadas por órgãos de controle externo e do próprio Poder Executivo para analisar a conformidade e a legalidade das atividades e dos procedimentos.

Nessa vertente, o adjunto comentou acerca dos principais trabalhos de repercussão social executados pela CGE nos últimos 10 anos e que envolveram análises contábeis, como as auditorias na aquisição de maquinários, nas cartas de crédito, na conta única, na Santa Casa de Cuiabá, nos incentivos fiscais, na gestão de medicamentos de alto custo etc.

Novas perspectivas

O coordenador da Faculdade de Ciências Contábeis da Unic, professor Eden Praeiro, pontuou que a XIV Semana Contábil teve como objetivo evidenciar as novas perspectivas da profissão e agregar novos conhecimentos sobre o ramo da auditoria pública e privada aos acadêmicos, profissionais e convidados presentes.

Para o coordenador da Faculdade de Ciências Contábeis da Unic, professor Eden Praeiro, a apresentação atendeu às expectativas

Para ele, a apresentação do representante da CGE atendeu a expectativa da instituição de ensino e dos alunos. “A palestra abordou de forma clara e objetiva os procedimentos, as ferramentas e as boas práticas de auditoria realizada por profissionais da área pública. Evidenciou também as efetivas contribuições que a CGE vem trazendo para sociedade, despertando muito interesse dos alunos de Ciências Contábeis em relação ao tema proposto”, finalizou o coordenador.