Pular para o conteúdo
Voltar

Auditores conhecem novas tecnologias para aprimorar o controle preventivo

Eles participaram na última semana da "Inteligência Artificial Conference", evento organizado por empresas startup, em São Paulo
Juliene Leite | CGE-MT

Auditores Sérgio Carvalho e Joelcio Caires participaram da Inteligência Artificial Conference - Foto por: Arquivo pessoal
Auditores Sérgio Carvalho e Joelcio Caires participaram da Inteligência Artificial Conference
A | A

Com a evolução computacional, a inteligência artificial ganhou cada vez mais destaque, apresentando novidades constantes aplicadas às mais diversas áreas de atuação. Reconhecendo a importância desse segmento da ciência da computação, auditores da unidade de inteligência da Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) participaram na última semana da "Inteligência Artificial Conference", evento organizado por empresas startup, em São Paulo.

Na conferência, os auditores Joelcio Caires e Sérgio Carvalho conheceram novos sistemas que poderão auxiliar nos trabalhos de controle preventivo e de auditoria no âmbito do Governo de Mato Grosso, aprimorando a identificação de inconsistências e a análise de causas, além da redução de riscos e irregularidades na aplicação dos recursos públicos.

“O objetivo da nossa participação foi de conhecer oportunidades de utilização de tecnologias que ajudem a CGE a agregar valor aos nossos produtos, análises e trabalhos, em geral, por meio de inteligência artificial e racionalização da utilização dos dados existentes no Estado ou em outras fontes de dados, conhecer também quais são as dificuldades enfrentadas por outras pessoas e organizações que desenvolvem essa tecnologia e como isso foi solucionado”, destacou superintendente de Inteligência do Controle Interno da CGE, Joelcio Caires.

Ainda de acordo com o superintendente, o uso da inteligência artificial vem corroborar para otimizar as tomadas de decisões, aperfeiçoar o monitoramento dos resultados, melhorar a gestão de riscos e o combate à corrupção. Com o uso da inteligência artificial, auditorias complexas, como aquelas da área de gestão de pessoas em que é analisado um grande número de dados, serão executadas de forma mais rápida e eficaz.

O superintendente ainda observou que as soluções tecnológicas não precisam ser cheias de aparatos, muitas vezes desnecessários. “O que se pode concluir é que podemos utilizar coisas pequenas, mas que agregam valor aos produtos. Não é necessário se começar por coisas mirabolantes, mas sim por resoluções de problemas pequenos e que serão, de fato, utilizados pela instituição”, finalizou.

A proposta do evento foi discutir e entender os fundamentos da inteligência artificial, soluções que a inteligência artificial pode trazer aos negócios, conhecer as startups que fazem isso no Brasil, além ter acesso aos cases de sucesso. 

Startup são empresas jovens com um modelo de negócios repetível e escalável, em um cenário de incertezas e soluções a serem desenvolvidas. A conferência contou com a presença de dois mil profissionais de diversas áreas de toda a América Latina.